Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O que me dizem as janelas

por seila, em 21.10.15

Das janelas da minha casa vejo um tempo cinzento de pingos de chuva.
Não vejo pessoas na rua, nem os cães se passeiam.
Vejo as árvores que já se vão despindo e do seu porte exuberante de verdes folhas, despedindo.
Os castanheiros ainda novos, ah sim, porque na minha rua há castanheiros, já largaram os ouriços e as folhas que ao ritmo do vento se revolvem, tomaram a cor amarelada e castanha da terra que os alimenta.
O Rio Tejo desapareceu. Levou com ele a Vasco da Gama e com o céu se fundiu, abençoado por Deus.
Das minhas janelas não existe Serra da Arrábida. O horizonte foi forrado a papel de parede mais uma vez cinzento, sem vida, nem estética.
Com certeza quem fez o mapa enganou-se e quem a declarou Parque Natural de tamanha beleza, onde se incluem algumas zonas de vegetação mediterrânica que só é conhecida na Arrábida, por certo sonhou e o contou com uma tal convicção, que muitas vezes, a vemos, fotografamos e até nos refrescamos nas águas apetitosas que sob o vaidoso sol a banham.
Os carros passam e abrem um rasto de salpicos retirados da chuva acumulada na estrada.
Das minhas janelas olho pra dentro e vejo um sofá, um livro pousado e uma chávena de chá fumegante. Oiço sons também, a chuva que vai caindo e a música que me vai encantando.

 

Seilá, 10 de Outubro de 2015

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:36

Livro de Palavras

por seila, em 05.06.15

 

Tenho escrito um livro, de soltas palavras, desgarradas a monte no pensamento.

Tantas palavras tristes, tantas vivas de alegria, umas quantas agressivas, outras tantas revoltadas. Palavras justas, dignas, sensíveis que se aliam à compreensão. As verdadeiras, legítimas numa luta compulsiva com as ardilosas, fingidas. As decididas, determinadas que se esbarram nas incertezas. E retiradas a um canto, as altivas, prepotentes, hipócritas e arrogantes, casmurras, mal-humoradas, ofensivas e de raiva, num grupo bem definido de tanta incompatibilidade. Coerentes, caridosas, humildes e carinhosas contaminadas de amor. E tantas palavras tão lindas que deslizam de mansinho procurando outro lugar. Se alojam no coração.

Tento escrevê-las, juntá-las, fazer que tenham sentido.

Atropelam-se, escorregam.

Tudo falta de conexão entre o papel e o lápis.

 

 

Seilá, 6 de Maio de 2015

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:42


Mais sobre mim

foto do autor


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D